A adolescência é uma fase superimportante de nossa vida, uma das mais incompreendidas, e um período de grandes mudanças. Enormes modificações físicas, comportamentais, de esperança e de experimentações. Na verdade, um dos grandes problemas do adolescente e de suas famílias, é saber quem é o profissional que deve cuidar deste grupo.

Quem é o adolescente?

para podermos entender bem isto, vamos começar tentando entender quem é o adolescente. Para a Organização Mundial da Saúde, e para a maioria dos serviços de adolescência no país, este período é o compreendido entre os 10 e 20 anos de idade (ou seja, a segunda década de vida). Já aviso que este é um período sem muita lógica, já que não engloba todas as mudanças físicas de crescimento e desenvolvimento, seja mental ou do corpo e das características sexuais. Ao mesmo tempo, não é o período de definições políticas – afinal, podemos votar aos 16, casar aos 18, assim como sermos responsabilizados penalmente como adultos.

Outras definições dependem muito de aspectos políticos, práticos e outra vez, não respeitam bem a própria sinalização do corpo. Assim, os limites inferiores da adolescência não são muito claros. Alguns hospitais atendem crianças até 12 anos e depois chamam os pacientes de ADULTOS e são atendidos misturados a todos adultos e idosos. Imaginem internar um adolescente em uma unidade com pessoas de idades muito diferentes. Necessidades diferentes em todos os aspectos, não é mesmo?

Qual especialista deve cuidar dos adolescentes?

Outra coisa importante, qual a especialidade que deve seguir estas crianças-adultas em transição. Hoje não é muito discutido que o pediatra deve ser o responsável pelo seguimento desta fase. Afinal, é o responsável pelo acompanhamento da criança em suas fases de crescimento e desenvolvimento e conhece esta criança por longos anos. Estas modificações são importantes e culminam com o fenômeno chamado puberdade.

A puberdade é a modificação física que ocorre em nossos corpos, aproximadamente aos 9-10 anos de idade (mas pode ser até os 15), em que preparamos o nosso organismo para ter características físicas de adultos e para a reprodução. Crescemos mais rapidamente, sob a ação de hormônios, como os estrógenos, progesterona, testosterona e ajudados por vários outros.

A velocidade de crescimento, que no final da infância era estável, entre 5-7 centímetros por ano, passa para 10 a 12 centímetros por ano, mas por um período que varia entre 2 e 5 anos. O chamado estirão da puberdade ou da adolescência alcança até 20 ou 25 centímetros, mas não é o período de nossa vida em que mais crescemos. Só para comparar, crescemos 50 cm no período pré-natal (em apenas 9 meses) e 25 centímetros no primeiro ano de vida. Mas o crescimento da puberdade é essencial, porque determinará a nossa estatura final.

Uma boa nutrição, hidratação, excelente funcionamento de todos os hormônios, em uma base genética correta, determinará um crescimento esperado e adequado. No entanto, existem tantas coisas que precisam dar certo para o crescimento que é realmente uma maravilha que tudo funcione para termos um bom tamanho.

Além deste movimento no aumento do tamanho, a puberdade determina a modificação da composição corporal, com aumento do tecido gorduroso e muscular, visando as formas finais do corpo do adulto. Os aumentos da mama, das dimensões do quadril, visam a possibilidade da reprodução nas meninas. O aumento do testículo e também do pênis, vão determinando a chamada maturação sexual. O pediatra ou o especialista em adolescente, avalia se o crescimento, e se o ritmo da maturação sexual, está em compatibilidade com a normalidade e se o o adolescente terá o crescimento esperado e sem problemas.

O pediatra, que vem acompanhando todos os aspectos de prevenção e de recuperação de todas as doenças na infância, está capacitado a seguir o atendimento de prevenção e orientação ao adolescente. No entanto, as características especiais desta idade determinam a necessidade de treinamento específico. Ainda assim, muitas outras especialidades fazem atendimento ao adolescente, como o ginecologista, que pode atender a jovem, o endocrinologista, que pode acompanhar os distúrbios hormonais do crescimento e outros.

O papel do pediatra hebiatra

Na verdade, somente um profissional acompanha TODOS os aspectos deste período. E aparece o especialista em adolescente, o pediatra hebiatra. Este nome vem de Hebe, a deusa grega da juventude. São profissionais treinados, com título de especialista, e preparação multidisciplinar para o atendimento a um público muito especial.

No nosso próximo texto vamos discutir um pouco as características comportamentais do adolescente e como ele deixou de ser atendido de forma adequada no sistema de saúde do nosso país e como iniciativas importantes dentro das faculdades de medicina e consultórios estão corrigindo este problema.

 

(Heitor Feitosa/VEJA.com)

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Para saber mais clique aqui

web osorweb osor

web osor

leave a comment

Create Account



Log In Your Account